Unidade São Mateus

11 2012-4394

Unidade Belem

11 2692-0246

Enviando...

Erro ao enviar.

Enviado.

CONTATO

Tratamentos

Halitose

Os pacientes portadores de halitose buscam o tratamento odontológico na expectativa de resolver o problema de mau hálito, porém muitas vezes o contrangimento o impede de dizer o real motivo da consulta. Somente com a realização de uma criteriosa anamnese é que o profisssional propiciará condições para que o paciente sinta-se à vontade para relatar o problema.

As consequências emocionais da haliose são fatores que devem ser considerados, pois verifica-se que o portador de halitose está, com frequencia, emocionalmente abalado.

O mau hálito altera o padrão de comportamento na sua vida social familiar e de trabalho, levando o paciente a apresentar uma tendência ao islamento e distanciamento das pessoas queridas por ele.

A halitose é de origem multifatorial e geralmente está relacionada a fatores sistêmicos, psicogênicos e bucais. Sabe-se que a gastrite e a úlcera, que tanta culpa levaram pelas alterações dos odores bucais, foram vitímas de uma grande injustiça.

Cada detalhe pode ser de grande valia no diagnóstico e tratamento da halitose. Ela não é uma doença e sim um sintoma de uma possível alteração patológica (doença periodontal, alterações hepáticas, etc), variação fisiológica ( menstruação, por exemplo) ou mesmo de um processo adaptativo do organismo (jejum prolongado).

 

O que causa o mau hálito?

A halitose não pode ser explicada por um mecanismo. Existem casos de origem fisiológica, que requer apenas orientação; patológica, que requer tratamento; por razões locais (feridas cirúrgica, cáries, doenças periodontais e outros) ou ainda por razões sistêmicas (diabetes, distúrbios renais, prisão de ventre e outros). São várias as causas e muitas vezes apresentam vários fatores ao mesmo tempo.

Por que o portador de halitose não sente o próprio hálito?

Porque o olfato se adapta ao odor, por tolerância. O epitélio olfatório rapidamente se cansa ou fadiga, se acostumando ao odor e falhando na percepção (fadiga olfatória). Em pouco tempo, o paciente com halitose se acostuma ao próprio mau hálito.

 

Como saber se eu sou portador de halitose?

A melhor forma é perguntar a uma pessoa de seu convívio e confiança se seu hálito está alterado ou costuma ser forte. O portador que é consciente de sua halitose tem um perfil receoso e angustiado. Há pessoas que apenas acreditam possuir halitose, para isso é necessário o exame e um perfeito diagnóstico.

 

A halitose é fruto de má higiene?

A halitose é um sinalizador de que algo no organismo não está bem.  Ou seja, nem sempre a halitose ocorre por falta da melhor higiene bucal. Um paciente que mantenha boa higiene oral mas encontra-se estressado, poderá apresentar um fluxo salivar baixo, isto compromete a auto-limpeza favorecendo a formação da saburra lingual e possibilitando a manifestação de halitose.

 

Halitose tem cura?

Claro, as vezes, atingir a cura demanda um pouco mais de tempo, mas sempre existe a possibilidade de controle. O atendimento nessa área é diferente do atendimento odontológico de rotina. Atualmente, muitos dentistas estão bastante interessados e investindo em conhecimentos sobre o assunto. Assim, se seu dentista não se achar em condições de lhe oferecer um excelente atendimento, com certeza saberá encaminhá-lo para um colega que tenha feito esse tipo de treinamento.

 

Unidade São Mateus - CROSP 7787

R. Gêmeos, 69 - Cidade Satelite Santa Barbara, São Paulo

Tel.: 11 2012-4394

 

Responsável técnica

Renata Vianna Lourenço - CROSP 56920

Unidade Belem - CROSP 10023

R. Fernandes Viêira, 143 Belenzinho, São Paulo

Tel.: 11 2692-0246

 

Responsável técnica

Paula Christiane Orlandi Crisci - CROSP 57560

© Copyright 2016 RVL ODONTOLOGIA. Todos os direitos reservados.